O que fazer então?

Grande parte das pessoas que freqüentam academias e escolhem a musculação como principal atividade, o fazem pela rapidez e eficiência dessa modalidade em modificar a composição corporal e promover a saúde. Apesar de pesquisas demonstrarem que a musculação é capaz de agir positivamente na redução dos níveis de colesterol ruim, no controle da pressão arterial, na sensibilidade à insulina através do metabolismo dos carboidratos, dentre outros benefícios, a finalidade estética é e sempre será o principal motivo pelo qual as pessoas buscam os exercícios resistidos.

Talvez a característica que mais atraia os praticantes de musculação seja a velocidade com que percebam mudanças em seus músculos. Pode não parecer visível, mas é perfeitamente possível sentir o aumento do tônus muscular em apenas 2 semanas de treinamento. É fácil sentir os músculos “mais durinhos”, desde que o percentual de gordura não esteja muito alto, atrapalhando a palpação muscular. É só tocar para sentir.

Devido a outras prioridades em nossa vida como estudo, família, trabalho, o tempo disponível para cuidarmos da aparência de nosso corpo em academias é relativamente curto, se fazendo necessária a otimização desse tempo para que os resultados apareçam ainda mais rápido e sejam ainda mais duradouros, e é aí que entra o conhecimento e experiência do Profissional de Ed. Física: na escolha correta dos exercícios. A eficiência de um programa de musculação relaciona-se diretamente com os exercícios executados. Exercícios que produzem maior atividade muscular durante a contração, irão produzir maior eficiência. Se a disponibilidade de tempo de treino é reduzida, nada mais justo que expor essa condição ao professor responsável que certamente irá optar por exercícios que atuem em mais de uma articulação, movimentando vários grupos musculares ao mesmo tempo. Quanto mais músculos você utiliza, menos exercícios você precisa fazer. Pesquisas demonstram que exercícios como os supinos para os peitorais, agachamentos e leg presses para as coxas e glúteos, remadas para as costas e desenvolvimentos para os ombros, conseguem mobilizar uma quantidade maior de músculos e fibras musculares em decorrência de maior atividade elétrica. È evidente que todos os exercícios têm que ser analisados e aplicados dependendo das características individuais do praticante, mas, no geral, essa é a regra.

Exija e dê preferência a esses exercícios tidos como “básicos” na musculação, que são eficientes, dão resultados e que você realmente sente os músculos trabalharem. Se o seu tempo não é tão curto, outros exercícios complementares podem ser adicionados. Chega de fazer exercícios que podem parecer fáceis de executar, bonitos de se ver, mas são tão inúteis quanto um carro sem motor. Ou um treino não aproveitado.

Romney Dantas