RELAÇÃO ENTRE UTILIZAÇÃO DE SÉRIES CLUSTER E COMPOSIÇÃO CORPORAL

Os resultados de um estudo que analisou a composição corporal, dentre outros parâmetros como força e potência, mostraram que protocolos de treino que se utilizam de INTRASET REST (intervalos dados dentro de uma série) não apresentaram diferenças nos ganhos ou manutenção de massa magra que os protocolos com intervalos normalmente utilizados INTERSET (entre as séries). Apesar das séries "CLUSTER" (séries com curtos períodos de descanso, normalmente de 5-20 segundos dentro da mesma série que pssinilitam realizar mais repetições com cargas mais altas - 85 a 95% 1RM) resultarem em "menor fadiga", as alterações na composição corporal foram similares entre os grupos que se utilizaram dos 2 protocolos e parece não influenciar negativamente as alterações na composição corporal, não causando perda de volume muscular. Treinadores como Patrick Tuor (criador do método SST) e atletas profissionais como Eduardo Correa se utilizam amplamente desse método, principalmente na fase pre-contest, onde em vez de normalmente reduzirem as cargas pela restrição dietética, há a manutenção da intensidade compensada pelo componente de fadiga, ou seja, treina-se tão pesado quanto na fase "off", mantendo o desempenho pela redução da quantidade de repetições vezes os repetidos intervalos entre estas. Outra utilização interessante de intraset rest é no treinamento de um grupamento muscular que já apresente o volume muscular esperado, reservando o método tradicional aos que necessitem de mais estímulo específico. Para melhor entendimento, em outros posts mais antigos discorro sobre o assunto aprofundando a abordagem. Referência Oliver, JM, Jagim, AR, Sanchez, AC, Mardock, MA, Kelly, KA, Meredith, HJ, Smith, GL, Greenwood, M, Parker, JL, Riechman, SE, Fluckey, JD, Crouse, SF, and Kreider, RB. Greater gains in strength and power with intraset rest intervals in hypertrophic training. J Strength Cond Res 27(11): 3116–3131, 2013