FLEXIBILIDADE E TREINAMENTO DE FORÇA

Ainda quem acredite que o treinamento de força promova ou iniba a flexibilidade? Em um estudo sobre o assunto (1), os pesquisadores analisaram ganhos de força e flexibilidade, de forma isolada e combinada, em 4 grupos de 28 mulheres treinadas após 12 semanas de treinamento voltados a esses objetivos. O treinamento de flexibilidade consistiu em alongamento dinâmico realizado por uma duração total de 60 minutos e o treinamento de força incluiu protocolo para todos os grupos em dias alternados, composto de 8 exercícios realizados em intensidades periodizadas. Em conclusão, os resultados sugeriram que a combinação de força e treinamento de flexibilidade não é prejudicial para o desenvolvimento da flexibilidade; no entanto, o treinamento combinado pode reduzir um pouco o desenvolvimento da força, com pouca influência da ordem em que esses exercícios são realizados. Analisando os resultados, parece óbvio que para a manutenção da flexibilidade ou qualquer outra valência física, é necessário que haja efetivamente o treinamento visando esse objetivo, pois haverá inevitavelmente redução de flexibilidade mesmo que se jogue peteca sem exercícios que estimulem a disponibilidade de uma articulação em ser movimentada ao longo de toda sua amplitude. Referência 1-Leite, Thalita; de Souza Teixeira, Arlindo; Saavedra, Francisco; Leite, Richard Diego; Rhea, Matthew R.; Simão, Roberto. Influence of strength and flexibility training, combined or isolated, on strength and flexibility gains. The Journal of Strength & Conditioning Research. September 29, 2014.