photo_13

APLICAÇÃO DE DIFERENTES INTERVALOS PARA EXERCÍCIOS MONO E MULTIARTICULARES E CONSISTÊNCIA NAS REPETIÇÕES. O QUE A CIÊNCIA DIZ

Em um estudo recente [1] publicado por Roberto Simão, Jeff Willardson e colaboradores, evidências sugerem que diferentes intervalos dados entre exercícios mono e multiarticulares interferem na consistência do número de repetições em cada série e no efeito agudo de recuperação (entenda-se por consistência a mesma faixa de repetições por série). Os exercícios utilizados foram o […]

Leia Mais »

photo_7

TREINAMENTO DE FORÇA E TAXA DE LESÕES. QUAL A VERDADE?

Toda atividade física envolve um certo risco de lesão – agudas ou crônicas – e para atletas profissionais e amadores, esses riscos são aceitos em troca da recompensa máxima que vem da bem sucedida participação nos níveis de rendimento mais altos. Em geral, é inegável que parece que a população considera os esportes mais populares […]

Leia Mais »

photo_15

VELOCIDADE DE MOVIMENTO E PAUSA TENSIONAL NA EXECUÇÃO DOS EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO. TÉCNICAS QUE VOCÊ DESCONHECE

Especula-se e alguns concluem precipitadamente (por desconhecerem as pesquisas) que treinamento contraresistente realizado em baixas intensidades, com movimentos lentos e com pausas tensionais (tonic force) não provocam estímulos metabólicos suficientes para induzir a hipertrofia. Um estudo [1] investigou os efeitos que o exercício com estas características apresentou em 12 semanas de treinamento (3 séries, 3 […]

Leia Mais »

photo_6

FASES MENSTRUAIS E TREINAMENTO DE FORÇA

Um estudo recém-publicado (06/2016) investigou como diferentes frequências de treinamento durante as fases menstruais afetam hipertrofia e força muscular. O treinamento consistiu de 3 séries de 8-15 reps de rosca para braços até a falha muscular durante 12 semanas e, em cada fase do ciclo menstrual (fase lútea e folicular), cada sujeito treinava cada braço […]

Leia Mais »

image:33141

MAIS CARGA É MAIS EFICIENTE PARA A HIPERTROFIA? DESCOBERTAS RECENTES SUGEREM OUTRAS OPÇÕES

Devido à minha iniciação ao treinamento em musculação, digamos, precoce para a época (1988), mantive e acreditei durante muito tempo – e todos os “marombeiros” pensavam assim – que quanto mais carga e menos repetições, dentro de uma certa faixa (6-12), maior seria a minha resposta em ganhos musculares. O tempo passou, desenvolvi senso crítico […]

Leia Mais »

image:33132

USO DE IMPLEMENTOS DURANTE A EXECUÇÃO DO LEG PRESS E ATIVAÇÃO MIOELÉTRICA. EXISTE DIFERENÇA?

Um artigo bem interessante publicado hoje [1] investigou a resposta mioelétrica dos vastos medial oblíquo e lateral, reto e bíceps femural, bem como a relação de ativação entre os vastos (VMO:VL) utilizando 2 técnicas na execução do leg press 45º: com uma bola entre os joelhos e com uma faixa elástica próxima aos joelhos, uma […]

Leia Mais »

image:33131

CADEIRA EXTENSORA OU AGACHAMENTO? QUAL OFERECE MENOR RISCO PARA A ARTICULAÇÃO DO JOELHO?

Agachamentos tem ação deletéria para os joelhos e as extensões na máquina específica supostamente seriam o meio mais seguro para o treinamento dos quadríceps, essa era a tônica nas conversas quando o assunto era treinamento por quem apresentava alguma restrição na articulação. Esse posicionamento levou ao uso de máquinas de extensão para a reabilitação de […]

Leia Mais »