Abdominais

Os exercícios abdominais, junto com o agachamento, talvez sejam os mais polêmicos dentre todos os exercícios de musculação. As dúvidas principais surgem a respeito do melhor abdominal, de quantas repetições se deve realizar e a freqüência de executa-los.

Antes de mais nada, devemos lembrar que os músculos que compõem a parede anterior do tronco (reto abdominal, oblíquos interno e externo e transverso abdominal) são músculos como todos os outros do corpo, que necessitam da mesma intensidade de treinamento e conseqüentemente, do mesmo período de recuperação. É comum as pessoas relacionarem uma quantidade absurda de repetições com a eficiência do exercício, visto que ao conseguirem realizar um determinado número de contrações, ao invés de aumentarem a intensidade através do grau de dificuldade, adicionam mais e mais repetições, talvez achando que com isto a gordura depositada nesta região vá ser mobilizada. O problema quanto a isso é que o nível de esforço passa a ser menor e contraria o princípio básico do exercício resistido, que diz que quando um músculo está habituado a uma determinada carga, nova carga deve ser imposta a ele. Se o executante, por exemplo, utilizando 100 kg, conseguir realizar 12 repetições facilmente em um leg press, e este for o número prescrito pelo professor, seria óbvio que a carga seria aumentada para 120 ou 130 kg, e aumentada novamente logo que esta nova carga não representasse um esforço maior. É este mesmo princípio que rege os exercícios abdominais. Não se deve transformar um simples exercício em uma cruzada pessoal pelas mil e uma repetições. Intensidade é a chave de tudo, junto com uma boa dieta para facilitar a visualização da musculatura.

É outro equívoco achar que se consegue trabalhar separadamente a região “infra” e “supra” abdominal: ou todas as fibras do abdome se contraem, ou nenhuma se contrai (lei do tudo ou nada da fisiologia humana). A contração apenas começa na região inferior ou superior em um ou outro exercício e, logo em seguida, se estende a toda a região abdominal.

Escolha, junto com seu professor, os exercícios em que você mais sinta “queimar” seu abdome, sem desconforto lombar e/ou cervical, com a respiração adequada, visto que o reto do abdome é um músculo que auxilia a expiração. Procure fazer não mais que 20-30 repetições devagar e controladamente (4 séries no máx.), 2 exercícios, 2 ou 3 vezes por semana e não esqueça do controle alimentar, de preferência, prescrito por um profissional nutricionista e seguido com perseverança e regularidade.

Romney Dantas