image:33141

MAIS CARGA É MAIS EFICIENTE PARA A HIPERTROFIA? DESCOBERTAS RECENTES SUGEREM OUTRAS OPÇÕES

Devido à minha iniciação ao treinamento em musculação, digamos, precoce para a época (1988), mantive e acreditei durante muito tempo – e todos os “marombeiros” pensavam assim – que quanto mais carga e menos repetições, dentro de uma certa faixa (6-12), maior seria a minha resposta em ganhos musculares. O tempo passou, desenvolvi senso crítico […]

Leia Mais »

image:33132

USO DE IMPLEMENTOS DURANTE A EXECUÇÃO DO LEG PRESS E ATIVAÇÃO MIOELÉTRICA. EXISTE DIFERENÇA?

Um artigo bem interessante publicado hoje [1] investigou a resposta mioelétrica dos vastos medial oblíquo e lateral, reto e bíceps femural, bem como a relação de ativação entre os vastos (VMO:VL) utilizando 2 técnicas na execução do leg press 45º: com uma bola entre os joelhos e com uma faixa elástica próxima aos joelhos, uma […]

Leia Mais »

image:33131

CADEIRA EXTENSORA OU AGACHAMENTO? QUAL OFERECE MENOR RISCO PARA A ARTICULAÇÃO DO JOELHO?

Agachamentos tem ação deletéria para os joelhos e as extensões na máquina específica supostamente seriam o meio mais seguro para o treinamento dos quadríceps, essa era a tônica nas conversas quando o assunto era treinamento por quem apresentava alguma restrição na articulação. Esse posicionamento levou ao uso de máquinas de extensão para a reabilitação de […]

Leia Mais »

photo_11

RELAÇÃO ENTRE UTILIZAÇÃO DE SÉRIES CLUSTER E COMPOSIÇÃO CORPORAL

Os resultados de um estudo que analisou a composição corporal, dentre outros parâmetros como força e potência, mostraram que protocolos de treino que se utilizam de INTRASET REST (intervalos dados dentro de uma série) não apresentaram diferenças nos ganhos ou manutenção de massa magra que os protocolos com intervalos normalmente utilizados INTERSET (entre as séries). […]

Leia Mais »

photo_3

ALONGAR APÓS O TREINO AJUDA NA RECUPERAÇÃO?

Vários procedimentos visando recuperação da musculatura após o treino são mais freqüentemente associadas com o aumento do fluxo sanguíneo e linfático, a fim de nutrir os músculos e remover os resíduos. Para citar alguns, aplicação de calor, frio, contraste (calor e frio), a hidroterapia, a compactação estática, compressão dinâmica, vibração, exercícios leves, estimulação elétrica e […]

Leia Mais »

photo_12

FLEXIBILIDADE E TREINAMENTO DE FORÇA

Ainda quem acredite que o treinamento de força promova ou iniba a flexibilidade? Em um estudo sobre o assunto (1), os pesquisadores analisaram ganhos de força e flexibilidade, de forma isolada e combinada, em 4 grupos de 28 mulheres treinadas após 12 semanas de treinamento voltados a esses objetivos. O treinamento de flexibilidade consistiu em […]

Leia Mais »

1º SEMINÁRIO DE CIÊNCIA APLICADA AO TREINAMENTO DE FORÇA

Curso Métodos e Sistemas de Treinamento para Força e Hipertrofia: Da Prática a Teoria Palestrante: Belmiro Freitas de Salles PhD. Graduado EEFD/UFRJ, Especialista em Musculação UGF, Mestre UFRJ, Doutor UERJ, Pós-doutorando UFRJ, Professor Pesquisador (70 artigos) Conteúdo História dos métodos Métodos pirâmide, dropsets e variações Rest-pause, cluster sets e intraset rest Métodos de parcelamento Circuito […]

Leia Mais »